É meu povo, surgiu uma nova dúvida nestes últimos dias, devemos tomar vacinas antes de imigrar para o Canadá? Se sim, quais? Essa pulguinha atrás da orelha veio junto com a informação de um amigo de que seria necessário tomar a vacina contra febre amarela e registrá-la em uma carteira de vacinação internacional antes de partir.

Então fui verificar no Doctor Google e descobri que para entrar no Canadá não é obrigatório a tomar nenhuma vacina específica, mas recomenda-se tomar algumas, como de tétano e difteria, segundo informação extraída do site Aeroportos do Mundo. Já o site Casa de Vacinas apresenta um mapa onde podemos verificar por regiões quais as vacinas recomendadas e/ou exigidas. Segundo esse site, as vacinas recomendadas para quem tem viagem marcada para a América do Norte são: hepatite (A e B); pólio; febre tifóide; sarampo; caxumba e rubéola; reforço contra difteria, tétano e coqueluche; infecções invasivas por Haemophilus influenzae tipo B – Hib (que causa meningite e outras graves infecções bacterianas - por exemplo, pneumonia, bacteremia, artrite séptica e epiglotite -, principalmente entre bebês e crianças com menos de cinco anos de idade).

Enfim, não achei nenhuma informação que deixasse claro a obrigatoriedade de vacinas, mesmo a de febre amarela, para nossa futura pátria.

De qualquer forma, verifiquei junto a Secretaria de Saúde daqui de “Tubiacanga” que a vacina de febre amarela pode ser tomada diretamente no posto de saúde e depois é só levar a carteirinha até a ANVISA (nos portos, aeroportos e fronteiras), que eles registram em uma carteira de vacinação internacional.

É claro que quem tem criança vai ter que tomar mais precauções, até porque existem vacinas que são obrigatórias para os pequenos independentemente do país em que estejam. Mas nós, adultos, temos que avaliar o que é mais apropriado para nossa saúde e procurar deixar em dia a velha e boa carteirinha de vacinação.

E vamo que vamo!

Bjokas
15 de jan de 2010

Antes de partir...

Oie meu povo querido do coração, voltei...

Depois de uns dias merecidos de férias estamos de volta. Eu, Paty, de volta ao trabalho e à rotina (não tão dura assim) da vida no litoral, sem deixar às idas a praia de lado, é claro... rs. Agora é hora de organizar a partida, e isso, confesso, não tem sido tarefa fácil.

São tantas coisas para arrumar que a gente fica perdidinho. Precisamos primeiro definir a data exata da partida e comprar as passagens (nosso deadline é março). Também temos que encontrar um apartamento para alugar, pelo menos para o primeiro mês; fazer o seguro saúde; decidir se daremos ou não saída definitiva do país; organizar as malas; entregar o apartamento do litoral; vender o carro; se desfazer das tranqueiras que ainda restam em casa (nosso apartamento atualmente foi alugado todo mobiliado, o que já é um adianto, pois não teremos que nos desfazer de muita coisa); pedir exoneração do meu emprego (sou servidora pública) ou conseguir um afastamento por estudo no exterior, o que tá difícil, pois ainda não consegui me matricular em nenhum curso etc. Já me perdi na lista de afazeres, e com certeza ainda tem muito mais a fazer do que eu consigo me lembrar neste momento.

No momento, estamos pesquisando locações mensais em Ville de Québec, mas ainda não entramos em contato com ninguém. A locação é para 4 pessoas, já que muito provavelmente iremos embora juntos com nossos amigos do Tiguidou, Nayara e Felipe. Então, se alguém tiver alguma boa dica, estamos abertos a sugestões.

A questão de como levar dinheiro já foi decidida anteriormente e resolvemos abrir conta no HSBC mesmo. Já pedimos, inclusive, a abertura da conta no Canadá.

Enfim meu povo, tem coisa a beça para ser decidida, resolvida, organizada. Mas vamo que vamo, né! Sem deixar a peteca cair, apesar das adversidades da vida...

Bjokas