30 de jan de 2009

No caminho

Eu queria (e deveria) inaugurar nosso blog com um post que esclarecesse o propósito dele, mas o marido se antecipou e estreou no Bain de Neige com um texto sobre imposto de renda no Québec (confesso que fiquei assustada com o tamanho do rombo no orçamento que o danado do imposto pode causar). De qualquer forma, o assunto é interessante e importante, pois a partir do momento que a gente colocar os pés nas terras geladas teremos que pagar os impostos sem reclamar. Mas o marido disse uma coisa certa, pelo menos lá o dinheiro parece ser gasto de maneira mais correta e a população tem acesso a serviços de qualidade... diferente daqui!
Voltando ao assunto blog, nossa intenção é mostrar um pouco das nossas impressões sobre o processo de imigração para o Québec. Decidimos mudar de vida e agora estamos no meio do processo.

Tudo começou...

Novembro 2007 – sem querer passamos por uma feira sobreo Canadá que acontecia no shopping perto de casa e ficamos com o “zóinho brilando”.
Dezembro 2007 – descobrimos que haveria a palestra sobre imigração para o Québec em São Paulo, então nos inscrevemos e fomos lá conferir o que o pessoal tinha pra falar.
Após a entrevista tivemos a certeza de que queríamos mudar de vida... radicalmente.
Janeiro 2008 – pesquisamos uma escola de francês que tivesse um custo/benefício que atendesse nossas expectativas e nosso bolso.
Fevereiro 2008 – iniciamos as aulas de francês na École Québec. A escolha não poderia ser melhor, mas isso merece um post mais tarde.
Julho 2008 – demos entrada no processo de imigração. Tínhamos na época apenas 80 horas de francês (nosso perfil, segundo a pesquisa que fizemos no site oficial de imigração do Québec solicitava 150 horas), pois já planejávamos ter, até o dia da entrevista, as horas necessárias.
Novembro 2008 – escritório de imigração solicita mais documentos.
Dezembro 2008 – enviamos os documentos extras solicitados.
Janeiro 2009 – fomos convocados para a entrevista que acontecerá dia 25 de março (ai, meu Deus!!!!!).

Agora estamos aguardando o dia da entrevista. Nervosismo é pouco, mas eu juro que estou tentando manter a calma (nessa hora o marido leva vantagem, já que é mais “cabeça fria”, rs).
Por enquanto é isso. Os detalhes de cada etapa do processo a gente vai colocando aos poucos pra não cansar ninguém...

1 comentários:

Luciana disse...

Casal do meu coração!!!!

A "dinda" está aqui na torcida por vocês ;o)

Paty Prima, não fique nervosa no dia da entrevista, ok?rs

Beijinhos

Postar um comentário